Dicas

Romance e fraude: o segredo do crime virtual que rendeu US$ 363 milhões

Jeff Elder, 3 Junho 2019

Um especialista do FBI conta ao Blog da Avast sobre fraudes relacionadas a redes sociais e sites de namoro, o tipo de crime virtual que está em segundo lugar em termos de prejuízos às vítimas.

No topo do recente relatório sobre crimes virtuais do FBI, estava uma estatística de partir o coração. A categoria de crime que está em segundo lugar em termos de prejuízos, perdendo apenas para o abuso de e-mails empresariais, foi a fraude romântica, com perdas de US$ 363 milhões em 2018.

O que é uma fraude romântica? Os casos do FBI são as típicas histórias que ensinam que não devemos nos deixar seduzir por uma boa conversa.

Uma mulher de Houston enviou US$ 2 milhões para “Charlie”, seu suposto namorado online, que ganhou sua confiança ao longo de meses de correspondência. Um homem do Oregon aceitou dinheiro da sua namorada online e o reenviou para uma conta dela, sem perceber que assim estava lavando dinheiro de outras vítimas da fraude.

Usando termos pouco românticos, o FBI resume a categoria de crime virtual desta forma: “Um criminoso engana a vítima” online, para que ela acredite que exista “uma relação de confiança, familiaridade, amizade ou romântica”. Depois, a vítima é convencida a enviar dinheiro, informações pessoais e financeiras, ou a lavar dinheiro para o criminoso. 

Estes golpes acontecem 50 vezes por dia nos Estados Unidos

Se eles parecem raros, não são. Os golpes ocorreram 18.493 vezes no ano passado, segundo relatórios do FBI, ou mais de 50 vezes por dia, na média. O roubo de identidade digital ocorre com 13% menos frequência.

As vítimas são, na maioria, mulheres viúvas ou divorciadas com mais idade, diz o FBI. Seus supostos príncipes são muitas vezes criminosos bem educados, com conhecimentos em informática. Usando as redes sociais e os perfis em sites de namoro para obter informações básicas, os criminosos se aproximam de seus alvos online com conversas sobre passatempos e atividades que supostamente têm em comum.

A agente especial Christine Beining (na foto), investigadora de fraudes financeiras veterana na divisão do FBI em Tampa, na Flórida, viu um aumento grande no número de casos de golpes românticos. A maioria das pessoas “não faz a menor ideia da extensão do problema”, ela disse. 

FBI.Beining

“Acabou a época em que pessoas solitárias iam a bares ou igrejas para conhecer alguém.  Agora, é só entrar no computador e usar sites de namoro. Os sites de namoro online abriram muitas possibilidades para quem procura amor”. Mas com essa conveniência trouxe o risco e a vergonha.

“Golpes românticos são pouco denunciados”, disse Beining. “Isso ocorre principalmente porque as vítimas se sentem extremamente envergonhadas por terem sido vítimas desse tipo de fraude” . Uma vítima disse a Beining que tentou denunciar uma fraude romântica, mas um policial disse que ela não devia ter visitado um site de namoro com sua idade. Esse tipo de julgamento desencoraja as vítimas a denunciar esse crime oculto, disse Beining.

O que fazer para impedir fraudes românticas

Beining aconselha as vítimas a entrarem em contato com as autoridades policiais sobre golpes românticos. Estes são sinais de alerta comuns indicados pelo FBI que todos que procuram amor online devem conhecer:

  • A pessoa que você conheceu online te pressiona para deixar o site de namoro onde se conheceram para se comunicar exclusivamente por e-mail ou mensagens instantâneas
     
  • A pessoa envia uma foto que parece de um ensaio fotográfico ou tirada de uma revista
     
  • Alguém online diz que te ama depois de pouco tempo e tenta te isolar de amigos e familiares
     
  • A pessoa diz que trabalha e mora longe, seja no outro lado do país ou no exterior
     
  • A pessoa faz planos para te visitar, mas depois sempre cancela por causa de alguma emergência
     
  • Alguém pede dinheiro ou ajuda para movimentar dinheiro

O Match.com, que se autodenomina “a maior empresa de relacionamento do mundo”, inclui um aviso no rodapé dos e-mails trocados entre seus membros que aconselha o destinatário a não enviar dinheiro para ninguém, nem a fornecer informações de cartão de crédito, números de documentos ou outras informações pessoais. “Embora estejamos confiantes de que nossas medidas garantem um alto nível de segurança, pedimos aos membros que mantenham a vigilância durante o namoro online e denunciem quaisquer perfis suspeitos para proteger os outros membros”, diz o site de namoro em uma página que aconselha os membros a denunciarem fraudes.

O colunista do blog da Avast, Kevin Townsend, diz que engenharia social, como a fraude romântica, depende da manipulação e exige a participação das vítimas. “O conhecimento é a nossa maior defesa. Para que um ataque de engenharia social online falhe, tudo o que precisamos fazer é nos recusar a participar. Mas isso não é tão simples”.

Um navegador seguro e uma solução anti-rastreamento também podem ajudar a te proteger contra golpes de redes sociais de todos os tipos, explica Jas Dhaliwal da Avast.

Fraude românica no terceiro século a.C.

No final das contas, sites de namoro e redes sociais são apenas cenas de crime do século XXI, que exploram a fragilidade humana antiga. Estes crimes remontam à história antiga. No século III a.C., um gigolô chamado Lao Ai tentou enganar a rainha viúva Zhao da China. Seu golpe o fez rico, mas também o matou.

Dois cidadãos nigerianos foram condenados a três anos de prisão por causa da fraude romântica que custou US$ 2 milhões à vítima de Houston.

O fundamental para fraudes românticas tanto as históricas, quanto as digitais, é a vulnerabilidade.

“Recentemente, entrevistei uma mulher que se envolveu em um golpe romântico e suspeitou que estava sendo enganada”, diz Beining, a agente do FBI, ao blog da Avast. “Quando perguntei à mulher por que ela mandou dinheiro se já sabia que se tratava de um golpe, ela respondeu: ‘Eu só queria que alguém me amasse’”.