Segurança Cibernética

Os usuários domésticos e corporativos continuam precisando de um antivírus

Lisandro Carmona de Souza, 24 Fevereiro 2017

Mesmo com os avanços de segurança dos sistemas operacionais e dos navegadores, os antivírus ainda são a melhor defesa contra os ataques dos cibercriminosos.

Os smartphones são o alvo dos cibercriminosos por causa da
grande quantidade de dados pessoais que pode ser obtida

Segurança é tudo!

Nos últimos anos, os padrões da internet melhoraram e a segurança dos sistemas operacionais e navegadores trouxe à tona discussões sobre a necessidade de um aplicativo de segurança (comumente chamados de antivírus ou antimalwares). Mesmo com os reconfortantes avanços, a segurança dos computadores, mobiles e IoT é algo que rodeia os pesadelos dos usuários domésticos e corporativos devido ao grande número de vazamentos em empresas como a Yahoo! e o LinkedIn, além das falhas que colocam bilhões de aparelhos em risco.

Para analisar o que preocupa as pessoas em termos de segurança e privacidade dos seus dados online, a Avast pesquisou 1.000 pessoas e descobriu o seguinte:

  • As pessoas estão mais preocupadas que os seus dados pessoais (83%) e financeiros (74%) estejam sejam coletados por empresas e pelo governo.
  • Dois terços das pessoas disseram que estão preocupadas que os seus dados estão sendo compartilhados sem o seu conhecimento.
  • Os bancos (66%) e as empresas (73%) acham que têm mais responsabilidade que o governo em manter os dados privados dos seus clientes em segurança.
  • Contudo, somente quatro a cada dez acham que as empresas assumiram suficientemente a sua responsabilidade.

Vince Steckler, CEO da Avast Software, falando a líderes políticos e empresários de grandes empresas no Think Digital de 29 de novembro em Bruxelas, disse:

“Hoje, tudo é inteligente: smartphones, relógios, termostatos e TVs estão mergulhados em nossas casas e empresas e transformaram a nossa vida pessoal e profissional em ambientes digitais. Com o mundo real se mesclando cada vez mais com o digital, os cibercriminosos estão se aproveitando de novas formas de ganhar dinheiro, roubando dados pessoais e corporativos, obtendo acesso às contas bancárias das pessoais, garimpando informações pessoais para depois vende-las, e exigindo resgate para devolver dados valiosos”.

Os malwares frequentemente se disfarçam de aplicativos legítimos, aplicativos maliciosos para Android se infiltram em grandes sites de download, redes domésticas e corporativas são atacas por roteadores fracamente protegidos.

“Os cibercriminosos têm de tomar decisões profissionais como todos os nós, porque os seus recursos são limitados”, disse Ondrej Vlcek, CTO da Avast. “As ameaças estão atacando computadores e mobiles, assim como suas contas online e roteadores”.

O uso mobile agora representa 65% de todo o tempo gasto digitalmente, e a grande maioria do uso está em aplicativos. Os cibercriminosos sabem que dados valiosos estão armazenados nos telefones e cada vez descobrem novas formas de atacá-los.

As ameaças e os adwares aparecem agora como divertidos jogos e aplicativos que não acrescentam nada e só enchem os usuários de propagandas. No entanto, alguns ataques recentes, como a falha que afetou 3 milhões de aparelhos Android e o Trojan bancário GM Bot, enganam os usuários com uma interface quase idêntica dos seus aplicativos bancários e permitem que os cibercriminosos acessem as contas bancárias e consigam o acesso completo do aparelho.

Essas ameaças põem em risco a sua segurança e privacidade. Por isso, a proteção é absolutamente necessária. Como dizíamos em 2004, quando a morte dos antivírus foi largamente anunciada, os antivírus e outros serviços de segurança adicionais são uma necessidade em nossos ambientes inseguros, tanto para usuários domésticos quanto corporativos.

“Como uma empresa de segurança, batalhamos por estar um passo à frente dos criminosos para proteger os usuários e as empresas, e também para esclarecer a sociedade sobre os riscos e ameaças do mundo digital em que vivemos”, disse Steckler.