Segurança Cibernética

Relatório de Cidadania Digital – Avast 2021: a vida online mudou para sempre após a pandemia

Grace Macej, 23 de Setembro de 2021 13h50min0s CEST
Grace Macej, 23 de Setembro de 2021 13h50min0s CEST

Embora as competências digitais tenham aumentado para muitos durante a pandemia, a preocupação com privacidade e segurança online continua sendo uma barreira à completa integração

À medida que a conectividade e o uso da internet continuam a crescer em todo o mundo, o mesmo ocorre com a preocupação das pessoas com a privacidade e a segurança da internet.

Nossos especialistas da Avast trabalharam em estreita colaboração com instituições de pesquisa de mercado – a YouGov* e a Forsa* – numa pesquisa de privacidade na internet que reuniu fatos e estatísticas sobre as tendências globais da cidadania digital. Mais de 16.000 internautas em 17 países responderam e nos ajudaram a entender melhor como os sentimentos, as tendências e as atitudes globais em relação à internet evoluíram, principalmente com as mudanças trazidas pela pandemia da Covid-19. 


Quer saber mais? Acompanhe o Relatório de Cidadania Digital - Avast 2021* completo (em inglês).


Jaya Baloo, CISO da Avast (Chief Information Security Officer), disse: “Esses dados mostram que a pandemia mudou drasticamente o mundo, tornando nossas vidas ainda mais digitais, alterando nossas atitudes e comportamentos na internet. Mais de 80% das pessoas nos disseram que a privacidade é muito importante para eles, mas quase dois terços não se permitiram fazer algo online por medo de exposição da sua privacidade. Na Avast, usamos esses dados para focar nossas proteções em como as pessoas realmente usam a tecnologia e as necessidades que realmente têm, para que estejam melhor protegidas contra ameaças de segurança e privacidade neste novo ambiente".

O impacto da Covid-19 na atividade digital

A pandemia causou mudanças significativas em escala global na maneira como as pessoas usam a internet. Os lockdowns exigiam que realizássemos mais de nossas vidas online e um "novo normal", que foi criado à medida que os mercados se adaptavam e melhoravam as ofertas de serviços digitais. As atitudes globais em relação à internet evoluíram, incluindo a alfabetização técnica e a confiança. As preocupações com a segurança na internet aumentaram à medida que cada geração passava mais tempo online.

Não é exagero dizer que a pandemia da Covid-19 mudou radicalmente o quanto as pessoas fazem online. Embora as pessoas em todo o mundo tenham sido instadas ou legalmente obrigadas a permanecer em casa, a vida continuou. Muitos aspectos da vida cotidiana passaram a ser online, desde a explosão no número de pessoas que trabalham em casa até o uso generalizado de "zoom" como verbo. Trabalho, estudo, acesso a serviços e socialização tornaram-se experiências virtuais. Mesmo pessoas que não haviam usado muitas ferramentas online anteriormente ⁠– como idosos, crianças mais novas e adultos que antes relutavam em se juntar à revolução digital ⁠– se acostumaram a usar a internet diariamente.

Perguntamos às pessoas sobre quais ferramentas digitais elas usaram durante a pandemia e se elas esperam continuar a usá-las quando o mundo começar a retornar à normalidade. Nosso estudo mostra que um terço dos entrevistados globais planeja continuar fazendo mais coisas online, pois isso facilita sua vida. Também encontramos evidências de fortes preocupações em relação à proteção de dados e à segurança online, destacando um clamor geral por uma maior regulamentação. Mais acesso digital a serviços de saúde, aprendizado e namoro online sinalizam uma evolução no estilo de vida, mas as preocupações com a privacidade impedem as pessoas de participar plenamente.

“Para cidadãos digitais de todas as idades, a pandemia tornou a internet uma saída ainda mais importante. Isso os ajudou a manter contato com amigos e familiares, aumentou seu tempo em sites de mídia social, aumentou o acesso a serviços de saúde online e permitiu que eles experimentassem namoro online de maneiras novas e envolventes”, disse Baloo.

"Mas há outro lado nessa história. Embora as pessoas estejam mais do que felizes em usar serviços online e se envolver digitalmente de maneiras completamente novas, elas ainda são incrivelmente conscientes da sua privacidade. E embora elas possam querer ser cidadãos digitais após a pandemia, sua confiança não cresceu tanto quanto seu uso e, de fato, disseram que se contiveram em algumas atividades por causa dessas preocupações, impedindo-as de ir ainda mais longe no ecossistema digital por medo das possíveis ramificações".

Principais descobertas globais

  • Muitas pessoas permanecerão online: seis em cada dez entrevistados em todo o mundo relataram que a internet se tornou mais significativa em suas vidas devido à pandemia. Espera-se que 33% dos entrevistados continuem a realizar mais atividades online porque são mais fáceis. 31% das pessoas com 65 anos ou mais concordaram com isso, enquanto apenas 17% das pessoas entre 18 e 24 anos concordaram. Pode-se inferir que a faixa etária mais jovem já realiza mais atividades online do que as pessoas mais velhas.

  • A internet tem sido educacional: um terço dos entrevistados relatou que a internet os ajudou a aprender e experimentar coisas novas durante a pandemia. 28% das pessoas entre 55 e 64 anos concordaram e 23% dos que estão com 65 anos ou mais. Um em cada cinco dos entrevistados de todas as faixas etárias disse que o aumento do uso da internet melhorou a sua confiança na tecnologia; 20% das pessoas na faixa etária de 18 a 24 anos e 18% das pessoas com 65 anos ou mais.

  • À medida que as populações online crescem, o mesmo ocorre com as preocupações de proteção de dados: 83% dos entrevistados disseram acreditar que a proteção de dados é importante*, mas apenas 43% têm forte confiança nas leis de proteção de dados. Dois terços de todos os entrevistados relataram evitar certas atividades digitais online devido a questões de segurança e privacidade. Isso é especialmente marcante entre mulheres (68%) e pessoas com mais de 65 anos (69%).
     
  • Falta de entendimento e conhecimento sobre privacidade digital: observamos uma falta geral de entendimento e conhecimento sobre os direitos de privacidade online. Apenas 53% das pessoas disseram que são versadas em direitos de privacidade. 49% dos nossos entrevistados globais relatam que leem as políticas de privacidade de um site.
     
  • Namoro, aulas de esportes e serviços bancários mudaram-se para o mundo online: descobrimos que pessoas em todo o mundo eram mais propensas a se envolver em uma série de atividades online durante a pandemia. Entre todos, 35% disseram que aumentaram suas compras; 25% tiveram mais aulas de esportes; 34% participaram de cursos e estudo virtual; 21% usaram mais serviços bancários; 30% usaram mais serviços de saúde e 23% participaram mais de encontros online.

A importância da internet

A pandemia da Covid-19 mudou fundamentalmente a maneira como as pessoas veem a internet. O tráfego nas redes de banda larga aumentou 51% devido à pandemia, de acordo com a OpenVault*. Segundo nossa pesquisa, seis em cada dez usuários online em todo o mundo relataram que a pandemia tornou a internet mais importante em suas vidas. Nos Estados Unidos, por exemplo, 31% dos entrevistados disseram que a internet se tornou "muito mais importante" em suas vidas, em comparação com apenas 11% dos entrevistados na Alemanha. No Brasil, 61% das pessoas disseram que a internet se tornou "muito mais importante" em suas vidas.

RL3RNom8b_L_smzt_2AO67WjKCCOV8lhQ7LyRXkacY9wNNiQaXWsmK3sHZioNVQD0DDyG7Qocejdzc2V-8ybtuw3PBSoZAwY46gI05E-Dl86HW_YXIXsv-PNtd1dQgcuE3LGkHwv=s0

Relevância para diferentes faixas etárias

Cidadãos globais com 65 anos ou mais sofreram a maior mudança: 46% desse grupo concordaram que o aumento da importância da internet em suas vidas variava de "um pouco" a "muito mais importante" do que no período pré-pandêmico. Mais de dois terços das pessoas de 18 a 24 anos relataram o mesmo fenômeno. Podemos ver com esses dados que a internet impactou as pessoas durante toda a pandemia.

A internet como fonte de novas experiências

Durante a pandemia, muitas experiências pessoais não estavam permitidas, então a internet se tornou um portal para novas experiências. As pessoas também foram obrigadas a desenvolver novas habilidades em alfabetização técnica para conduzir sua vida online, como pode ser visto no fato de 22% das pessoas em todo o mundo terem relatado que tentaram fazer videochamadas pela primeira vez. Nossa pesquisa constatou que entre 29% e 33% das pessoas entre 18 e 54 anos disseram que se envolveram em novas experiências na internet durante a pandemia, em comparação com 23% das pessoas com mais de 65 anos.

vD4QHdPpXrvYKYoj6iHrm7V6YUf0WI9au5jczXiGz81x6cYWAxmrDHDJTPGk9_ODdrWKOT5VcMHTTH-K0A7mpSdFFyM2pVlDNbO29g9LteDBCLifJ3QsHvym30DR6F2sMALmYgwv=s0

Pessoas na Índia e nos países latino-americanos apresentaram os números mais altos para descobrir coisas novas via internet, com 53% na Índia, 50% no México, 46% no Brasil e 43% na Argentina.

A internet torna a vida das pessoas mais suportável

Enquanto as pessoas experimentavam os desafios dos bloqueios globais, a internet se tornou uma fuga bem-vinda para muitos. 34% dos entrevistados globais disseram que a internet era uma saída para tornar sua vida mais suportável. Os cidadãos da América Latina, Índia e Espanha apreciaram muito essa saída, com mais da metade dessas populações concordando. No outro extremo desse espectro estavam os entrevistados japoneses, com apenas 18% concordando.

Nosso estudo mostra que um terço dos entrevistados globais planeja continuar fazendo mais coisas online à medida que a vida pós-pandêmica se torna mais fácil. Havia também um vínculo direto entre os países que consideravam a vida mais suportável por causa da internet e de suas intenções pós-pandêmicas: quanto mais você acredita que a internet tornou sua vida mais suportável, maior a probabilidade de usar intensamente a internet após a pandemia.

rc6XwzWR5KoQz8OxLHJNqbX85T97RC79EYz3wa49IqPP-Acih1ITjUGuVIMpaM-TchHZf5SqCxPtHwjeUor8g3oFMFPhzw2rhO-Frp6EdM-4rw_bxuq2AxOyESHrttH2Ca6GUMNS=s0

Pessoas mais velhas se convertendo à internet

Historicamente, as gerações mais jovens tendem a adotar tecnologia e seus usos mais prontamente do que as gerações mais velhas. Surpreendentemente, nossa pesquisa constatou que os entrevistados na categoria 65 e mais velhos quase correspondiam à categoria 18-24 em termos de achar a vida pandêmica da internet mais suportável, demonstrando a importância desse evento global na adoção da internet. Globalmente, 36% da faixa etária mais antiga e 37% dos mais jovens afirmaram esse resultado positivo.

País a país, o impacto que a internet teve sobre os idosos foi ainda mais impressionante. Nos Estados Unidos, por exemplo, 40% das pessoas com mais de 65 anos disseram que a internet tornou suas vidas mais suportáveis. Na Argentina e no Brasil, esses números aumentaram para 62% e 61%, respectivamente.

Maior confiança ao usar a internet

Nossa pesquisa demonstrou que pessoas de todas as idades demográficas ganharam confiança em usar a internet devido ao aumento do uso durante a pandemia: 18% das pessoas mais velhas; 20% das pessoas entre 18 e 34; e 20% das pessoas na faixa etária de 35 a 44 anos. A Índia mostrou os números mais altos de pessoas relatando um aumento na confiança da internet em 39% e o Japão no menor, em 5%. Apenas 7% de todos os entrevistados disseram que acharam difícil se adaptar a fazer mais coisas online durante a pandemia.

Preocupações de segurança que inibem as pessoas online

Preocupações crescentes vêm junto com o aumento do uso da internet, de acordo com os dados da pesquisa. Oito em cada dez entrevistados disseram globalmente que a proteção de dados é um componente importante de suas vidas digitais. Além disso, dois terços relataram que decidiram não realizar certas atividades online devido a questões de segurança e privacidade.

Principais descobertas globais:

  • 69% das mulheres na faixa etária de 65 anos ou mais relataram se preocupar com esses problemas.

  • 65% de todos os entrevistados decidiram não fazer algo devido a questões de segurança ou privacidade. Dessas pessoas, 30% decidiram não usar redes Wi-Fi públicas por questões de privacidade.

  • 28% dos entrevistados decidiram não comprar um item online devido a suas preocupações com a privacidade.

  • 37% das pessoas disseram que abandonaram a decisão de se inscrever em um site por questões de privacidade.

A internet tem sido indispensável para ajudar a todos a manter ao máximo a normalidade das suas vidas durante a pandemia, e muitas pessoas não têm escrúpulos em permanecer mais digitais do que nunca. No entanto, a pandemia destaca uma lacuna preocupante entre os dados demográficos que se sentem confiantes em sua capacidade de navegar no mundo digital com segurança e com aqueles que não o fazem, mas podem precisar.

“A internet está em uma encruzilhada. Mais pessoas querem usá-la, mas também temem os riscos”, diz Baloo. “Nós, como cidadãos digitais, devemos trabalhar ao lado de nossos colegas usuários da internet para ajudá-los a reduzir seus riscos, aproveitar seu tempo na internet e voltar a viver suas vidas digitais. É nesse contexto que existem verdadeiras oportunidades digitais".

Para mais detalhes, confira nosso Relatório de Cidadania Digital - Avast 2021 na íntegra (em inglês).


Para este relatório, a Avast fez uma pesquisa entre 16.147 usuários online em 17 países ao redor do mundo. A pesquisa inclui 1.000 entrevistados por região na Argentina, Austrália, Brasil, República Tcheca, França, Índia, Japão, México, Nova Zelândia, Rússia, Eslováquia, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos.

O Instituto Forsa de Pesquisa Social e Análise Estatística fez uma parceria conosco para cobrir mais 1.000 entrevistados na Alemanha e 500 entrevistados por território na Áustria e a população suíça de língua alemã da Suíça. Os pontos de dados "totais" deste relatório estão cobrindo resultados de todas as regiões, além de pontos de dados que mostram resultados por faixas etárias ou gênero, onde os resultados dos mercados de língua alemã são excluídos.

* Original em inglês.