Segurança Cibernética

Qual é o seu sentimento com relação aos veículos autônomos (sem motorista)?

Lisandro Carmona de Souza, 1 Março 2018

Para algumas pessoas os carros autônomos (sem motorista) são objetos de desejo. Para outras, eles geram desconfiança e até aversão. E para você?

Cada vez mais eles abrem espaço no mundo da tecnologia e da Internet das Coisas (IoT). Também no recente Mobile World Congress (MWC). Os veículos autônomos, também conhecidos como veículos sem motorista, são aqueles veículos terrestres com capacidade de transportar pessoas ou bens sem necessidade de um condutor humano. Eles contêm sensores e sistemas de controle, alimentados por aprendizado de máquina e inteligência artificial que, em princípio, lhes permitem tomar decisões de forma mais segura e confiável que um ser humano.

Atualmente, poucos lugares do mundo permitem o uso desses veículos (por exemplo, três estados americanos: Nevada, Flórida e Califórnia) e, ainda assim, exigem que um condutor permaneça no veículo e possa intervir em casos de emergência.

Os amantes do progresso tecnológico!

Se você é a favor dos carros autônomos, provavelmente concorda com uma ou todas as razões e vantagens listadas abaixo:

  1. É o futuro da tecnologia (também para os vários grupos de pesquisadores brasileiros em São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo) e ninguém quer ficar para trás nesse mercado. Quando a tecnologia melhora, outros problemas do país também vão sendo solucionados. Há pessoas que dependem totalmente da tecnologia para se deslocar, como, por exemplo, os portadores de necessidades especiais (motoras ou visuais).

  2. Haveria menos acidentes no trânsito devido a erros humanos como dirigir em alta velocidade ou embriagado(a), efetuar ultrapassagens proibidas, não cuidar de pedestres e ciclistas, etc. Os acidentes de trânsito são as principais causas de morte entre jovens de 15 a 29 anos. É possível prever também que haveria uma melhoria na capacidade de tráfego das vias devido a menor distância entre os veículos.

  3. Permitiria que aproveitássemos o tempo em outras atividades enquanto nos deslocamos: descansar e dormir (especialmente importantes para os motoristas de caminhão), falar ao telefone, ler, mandar mensagens, além de não termos o stress de procurar uma vaga para estacionar, pois o veículo faria isso automaticamente. Quem sabe, nem precisaríamos mais de carteira de motorista...

  4. A tecnologia poderia ser adotada aos poucos, começando com carros com inteligência artificial ou semiautônomos, que poderiam ser usados em determinados locais ou cidades e, depois, pouco a pouco, isso faria com que todas as vias fossem melhorando (sinalização padronizada, sem buracos, etc.).

  5. Todos os países, mas especialmente o Brasil, precisam contar com projetos de tecnologia de ponta, criativos e inovadores, contribuindo para a melhoria do ensino, gerando empregos de maior nível. Há uma desconfiança inicial com relação às novas tecnologias. Há desafios, mas sem pesquisa e desenvolvimento, um país fica para trás. Foi assim com o trem, com o avião, etc.

Os que amam dirigir!

Se você é daquelas pessoas que não simpatizam com um carro sem motorista (ainda mais no Brasil), é possível que, ao conversar com os seus amigos, você pense nos seguintes pontos:

  1. Falta de segurança digital devido à possibilidade de invasões dos sistemas e computadores de bordo, como acontece com qualquer outro equipamento eletrônico, especialmente se estiver conectado à internet (IoT). Além disso, o que acontece se a tecnologia falhar? Também há os que se preocupam com a privacidade, pois as grandes empresas teriam todos os dados por onde você andou...

  2. Nem todos os motoristas cumprem todas as leis de trânsito e não há computador que consiga prever todas as situações. Nem um supercomputador dotado de inteligência artificial conseguiria resolver as surpresas que encontramos no trânsito no dia a dia das nossas cidades.

  3. Haveria um alto custo para padronizar todas as vias e cidades, desde as placas de trânsito até contar com estradas onde se possa estar 100% conectado à internet e ao sistema GPS. Também poderíamos pensar em vários problemas mais básicos que precisam de soluções mais urgentes: ainda não vale a pena investir nessa tecnologia.

  4. Tiraria empregos de milhões de pessoas (taxistas, motoristas de aplicativos e outros profissionais) e, poderíamos nos perguntar: onde ficaria o nosso prazer em dirigir?

  5. Os desafios com a legislação e as responsabilidades legais são enormes. Por exemplo, se um carro que está dirigindo sozinho, sem a assistência de um ser humano, atropelar um pedestre, quem será responsabilizado pelo crime? O carro? O motorista que nem estava com as mãos no volante? A empresa que construiu o veículo?

E você? O que pensa disso tudo? Participe do nosso debate nas redes sociais e deixe o seu comentário ou sugestão!

unsplash-logoAvi Richards