Segurança Cibernética

O brasileiro começa a entrar com tudo na Internet das Coisas. E a proteção?

Lisandro Carmona de Souza, 18 Outubro 2017

Cada vez mais os aparelhos inteligentes entram em nossos lares, mas poucos fabricantes estão preparados para lhe dar segurança. O que você pode fazer?

Cada vez mais comum encontrarmos aparelhos inteligentes nos shoppings e grandes lojas de varejo. É a popularização da tecnologia da Internet das Coisas (IoT). E toda a tecnologia que se torna popular ou se democratiza, vira alvo dos cibercriminosos.

Mas o que há de tão interessante na minha geladeira inteligente? Ou na minha cafeteira? Ou nos termostatos e lâmpadas que deixam mais agradável o ambiente e fazem tudo sozinho? Em princípio, você pensaria que nada. Mas saiba que os seus aparelhos IoT estão conectados à mesma rede que os outros computadores, smartphones e tablets. Agora nos diga: "não há nada interessante no seu smartphone?"

A IoT pode ser a porta de entrada para os ransomwares em seus aparelhos e, depois, exigir um resgate pelos seus vídeos, fotos e dados pessoais. Ou transformar sua rede em uma rede zumbi, controlada externamente e que permite o ataque DDoS a outros sites.

Dicas para a sua segurança IoT

Garanta em primeiro lugar a segurança do seu roteador: ele é a porta de entrada de toda a sua rede e o primeiro alvo dos cibercriminosos. Mas com algumas medidas simples (e, com a ajuda de algum amigo que com mais conhecimentos de informática, outras mais complexas), você pode melhorar muito este ponto de segurança vital. Antes de mais nada, use o Verificador de Wi-Fi do Avast para saber se a sua rede corre algum risco.

Dê preferência aos fornecedores que lançam atualizações dos seus firmwares (softwares que gerenciam o hardware). Essas atualizações corrigem falhas e vulnerabilidades que permitem aos cibercriminosos invadir um equipamento IoT. Uma vez dentro da rede, eles fazem a festa e podem atingir todos os outros aparelhos da rede (computadores, smartphones, etc.), transformando-a em uma rede zumbi.

Aprenda sobre a segurança do equipamento antes de comprá-lo: É possível trocar o usuário e a senha? Ele se comunica através de uma conexão criptografada (https)? Se o seu revendedor não sabe responder a essas perguntas, desconfie que também ele não entende de segurança. Pesquise antes e evite dores de cabeça depois.

Pablo Charnas