Segurança Cibernética

Clonagem de WhatsApp: como o antivírus pode ajudar

André Luiz Dias Gonçalves, 2 Julho 2020

Nesse tipo de golpe, os criminosos se passam pela vítima para pedir dinheiro aos contatos salvos no celular

Casos de contas do WhatsApp clonadas se tornaram algo recorrente no Brasil, fazendo do aplicativo de mensagens uma das ferramentas mais utilizadas para aplicar golpes virtuais. Ao assumirem a identidade das vítimas, pessoas mal-intencionadas podem extorquir os contatos armazenados no celular, criando muitos transtornos para os envolvidos.

Assim como em outras formas de espionagem do telefone, o objetivo com a clonagem do app é ter acesso a informações sigilosas do usuário, incluindo fotos, vídeos e outros tipos de arquivos, além da lista de contatos e de mensagens que podem conter informações confidenciais.

Com esses dados em mãos, os golpistas utilizam o conteúdo das mensagens ou as imagens salvas para chantagear o proprietário do smartphone em troca de dinheiro. Há também aqueles que querem apenas espionar as conversas alheias, por ciúme do parceiro amoroso ou simplesmente por curiosidade.

A ação mais comum é entrar em contato com familiares e amigos do proprietário do celular, passando-se por ele. Nesses casos, os criminosos inventam uma história, dizendo que estão passando por alguma situação de emergência e pedem dinheiro emprestado; acreditando se tratar do conhecido, muitas pessoas transferem a quantia solicitada, caindo na fraude.

Como acontece a clonagem do WhatsApp

A forma mais utilizada pelos fraudadores para clonar uma conta do WhatsApp é enganar a vítima a ponto de fazê-la fornecer o código de autenticação do mensageiro. Normalmente, eles alegam algo relacionado a segurança para ludibriar o usuário.

Na sequência, o hacker cadastra o número em outro aparelho e utiliza o código para ativar a conta do app de mensagens. A partir daí, o WhatsApp é bloqueado no dispositivo original, ficando sob o controle do criminoso, que tem acesso a todas as mensagens.

nullUma conta de WhatsApp clonada pode resultar em muitos prejuízos, inclusive financeiros. Fonte: Shutterstock

Há outras formas de efetuar a clonagem do mensageiro, como o método SIM Swap, no qual o golpista adquire um chip de celular com o número pretendido já ativado, tendo a possibilidade de acessar o app livremente.

Nesse caso, a transferência da linha telefônica para outro chip se dá, geralmente, com o criminoso fingindo ser o proprietário do número e pedindo a ativação em outro aparelho junto à operadora. Para tanto, é necessário que ele tenha os dados de alguns dos documentos da vítima.

Dicas de proteção

A maneira mais fácil de evitar a clonagem do app é nunca passar o código de ativação do serviço, enviado por SMS, para outra pessoa. A Avast também recomenda:

  • ativar a verificação em duas etapas no WhatsApp;
  • não instalar versões modificadas do mensageiro;
  • desconectar-se de todas as sessões ao terminar de usar o WhatsApp Web, mesmo no próprio computador;
  • manter o telefone sempre por perto;
  • nunca passar seus dados pessoais para desconhecidos.

A importância de usar antivírus

Além desses cuidados, ter um bom antivírus no celular, como o Avast Mobile Security, ele é gratuito, ele é compatível com Android e iOS, protegendo seu dispositivo em tempo real contra apps maliciosos que podem roubar seus dados e facilitar o trabalho dos cibercriminosos. Eles também protegem você contra sites falsos e golpes de phishing.

O antivírus também oferece funções de segurança que ajudam a evitar ações de golpistas, como o Verificador de Wi-Fi que descobre brechas de segurança e intrusos em sua rede Wi-Fi.


A Avast é líder global em segurança cibernética, protegendo centenas de milhões de usuários em todo o mundo. Saiba mais sobre os produtos que protegem sua vida digital em nosso site e receba todas as últimas notícias sobre como vencer as ameaças virtuais através do nosso Blog, no Facebook ou no Twitter.