Noticias corporativas

Entrevista: Vince Steckler e sua década como CEO da Avast

Avast Blog, 1 Julho 2019

O CEO que deixa a Avast fala sobre a abertura de capital na bolsa de valores de Londres, a aquisição da AVG e as alegrias de continuar participando do mundo universitário (UC Irvine).

Vince Steckler está se aposentando como CEO da Avast depois de uma década liderando a empresa de segurança cibernética. Um nativo californiano e orgulhoso aluno da Universidade da Califórnia em Irvine, ele começou sua carreira como programador. Atuou como vice-presidente sênior de vendas globais ao consumidor na empresa de segurança cibernética Symantec antes de ingressar na Avast. Quando ingressou, a Avast tinha cerca de 40 funcionários e faturava menos de 20 milhões de dólares por ano. Agora emprega mais de 1.500 funcionários e fatura mais de 750 milhões de dólares em vendas, e seu software de segurança bloqueia mais de 1,5 bilhão de ataques por mês. Ele se sentou com a equipe do Blog da Avast como parte de uma turnê nos escritórios globais da empresa para dizer adeus aos funcionários.

Qual foi a sua maior conquista como CEO?

Provavelmente, a aquisição da AVG Technologies em 2016. Não adquirimos apenas uma empresa, conquistamos a equipe da AVG, os clientes da AVG e a operadora e parceiros dos canais. Por quase 30 anos, AVG e Avast cresceram lado a lado e as semelhanças tornaram a integração das duas bastante suave. Conseguimos oferecer suporte aos produtos da marca AVG e Avast e transformá-los em uma empresa de segurança de serviço completo com a maior base instalada de consumidores do mundo. Isso expandiu nossa base de usuários para mais de 400 milhões de usuários em todo o mundo. Foi um grande negócio, e estou muito orgulhoso do que todos nós – todos em ambas as empresas – conseguimos realizar através disso.

Qual foi o desafio mais difícil em seu mandato como CEO da Avast?

O IPO (abertura de capital da Avast no ano passado na Bolsa de Valores de Londres), sem dúvida. Isso significa que não estamos mais apenas lidando com as realidades cotidianas do tumultuado mundo da cibersegurança, mas também gerenciando as expectativas dos investidores. As pessoas pensam em IPOs de tecnologia como os do Google, ou do Facebook ou do Uber, mas é realmente muito diferente na Europa. Os investidores europeus estão mais interessados ​​nos fundamentos financeiros e não no crescimento vertiginoso. Nossas ações deram um mergulho inicial, o que costuma acontecer, e depois tudo funcionou bem. Era a coisa certa a fazer e nós gerenciamos isso na direção correta.

Qual é o obstáculo mais difícil que a segurança cibernética enfrenta hoje?

A Internet das Coisas, mas eu considero isso mais como uma oportunidade do que como um obstáculo. De repente, tudo se torna um alvo, e uma família comum de classe média está cheia deles. As empresas vendem dispositivos inteligentes e as pessoas os instalam sem pensar nas implicações de segurança. Quando os pais compram um novo monitor para seus bebês, eles estão fazendo isso para deixar sua família mais segura, mas esse dispositivo pode se tornar uma porta de entrada para criminosos em sua casa. As empresas de segurança devem fornecer uma visão geral mais ampla da residência e um centro de controle acessível de tal forma que a maioria das pessoas possa gerenciar.

O que significa ser aluno da UC Irvine para você?

Eu estou no Comitê Executivo do Instituto de Política e Pesquisa de Segurança Cibernética da UCI, e se você olhar para as pessoas naquele comitê, são realmente de nível mundial. Quando uma grande universidade pública atinge esse tipo de excelência, isso ajuda muitas pessoas. A segurança cibernética precisa das melhores mentes e muitas delas, e você nem sempre chega lá sendo exclusivo e prestigioso, como algumas faculdades particulares. Um corpo estudantil grande e diversificado pode realmente proporcionar uma grande competição.

O Avast é uma proteção para as pessoas, e as escolas da UC oferecem educação superior para as pessoas através de uma verdadeira meritocracia. Eu gosto mais dessa atmosfera de meritocracia do que da aristocracia quando as pessoas estão lançando suas carreiras. Pessoalmente, também financiamos uma série de bolsas de estudos (também na UCI) focadas na promoção das mulheres na ciência da computação. Em segurança cibernética, tecnologia e ciência, geralmente há uma necessidade real de aumentar a diversidade em algumas áreas-chave. A UCI está fazendo grandes progressos e eu adoro fazer parte disso.

O que vem a seguir para você?

Esta é a minha primeira vez em mais de 40 anos sem trabalhar e imagino que será uma grande mudança. É hora de colocar a família em primeiro lugar e aproveitar o tempo com nossos dois filhos mais novos. Continuarei como assessor da Avast para o próximo ano. Eu também espero continuar envolvido na tecnologia como consultor e investidor.

Eu tenho alguns hobbies como corridas de Fórmula 1, e minha esposa está abrindo uma cafeteria no norte da Califórnia que irá funcionar junto com o que ela gerencia em Singapura.

Eu também gosto muito de ajudar a Magical Bridge Foundation, que tem a missão de construir playgrounds para crianças de todas as habilidades e deficiências, para que todas tenham as mesmas oportunidades no começo de suas vidas. Essa é uma missão que considero valiosa e profunda. Mas, principalmente, quero me concentrar em ser pai.