Segurança Cibernética

Hackers ameaçam a privacidade de crianças através de jogos eletrônicos

Lisandro Carmona de Souza, 21 Dezembro 2015

Hackers ameaçam a privacidade de crianças através de jogos eletrônicos

Brinquedos conectados à internet coletam dados das crianças e são menos seguros que computadores.

vtech-innotab Dados que hoje são roubados de crianças podem ser utilizados para construir perfis que podem trazer dificuldades no futuro.

Seus filhos podem receber brinquedos e aparelhos digitais como câmeras, relógios e tablets neste Natal. No entanto, cada vez mais os pais estão pensando duas vezes antes de colocar os presentes embaixo da árvore porque os aparelhos conectados à Internet coletam dados dos usuários e são menos seguros do que os computadores.

6 milhões de contas de crianças foram invadidas por um hacker

Esta fragilidade ficou patente durante as compras da Black Friday, quando uma empresa de brinquedos digitais de Hong Kong chamada VTech perdeu para um hacker os bancos de dados de mais de 6 milhões de crianças e quase 5 milhões de compartilhadas com os pais.

Colocando os bancos de dados lado a lado, o hacker foi capaz de obter informações que podem identificar as crianças: nomes, idades, sexo e até fotos e relatórios de conversas e chats. Os nomes dos pais, endereços de email, perguntas e respostas secretas para acesso às contas, endereços IP, senhas criptografadas e endereços postais também foram acessados. Em princípio, a brecha não atingiu números de cartões de crédito e dados financeiros.

O hacker responsável pela invasão dos bancos de dados da VTech disse à Motherboard que a sua única intenção era expor as práticas de segurança inadequadas da empresa. Não há indícios de que os dados foram colocados à venda em fóruns de hackers na internet.

"Lucrar com o vazamento de bancos de dados não é algo que eu faço", disse o hacker à Lorenzo Franceschi-Bicchierai, um repórter da VICE Motherboard. "Eu só quero que as pessoas tomem consciência dos problemas e os corrijam".

A empresa tirou do ar vários dos seus sites e serviços depois que a falha foi revelada e contratou uma empresa de segurança para melhorar a proteção dos seus dados.

Os pais têm algo para se preocupar?

Provavelmente a maioria dos pais não têm a menor ideia de que os dados dos seus filhos podem ser comprometidos ou que isto seja algo com que se preocupar. Contudo, o perigo de que mesmo fragmentos básicos de dados de uma criança sejam roubados é que os cibercriminosos podem começar a construir perfis, expondo crianças e adolescentes ao roubo de identidade ou outras atividades criminosas no futuro.

"Hoje em dia, alguns fraudadores mais sofisticados costumam utilizar os dados das crianças quando elas se tornam adolescentes ou adultas, e estabelecem a ligação da pessoa com dados falsos que podem lhes prejudicar, sem que a pessoa saiba disso", disse Diarmuid Thoma da empresa de segurança Trustev à ZDNet depois que o vazamento foi divulgado.

The Identity Project é um site que ensina as pessoas sobre roubo de identidade e as possíveis consequências em suas vidas quando os dados pessoais de uma criança são roubados. Lá vemos as seguintes dicas:

  • Jovem adultos podem ser impedidos de obter o seu primeiro cartão de crédito porque a sua "ficha" irá mostrar um comportamento estranho.
  • O seu prontuário médico de emergência pode conter dados incorretos porque os cibercriminosos já o utilizaram em outros serviços médicos.
  • Pode acontecer que os seus dados sejam correlacionados com atividades criminais, que podem trazer várias complicações no seu dia a dia futuro.
  • As pessoas podem perder o crédito e a possibilidade de conseguir empréstimos até mesmo para pagar a sua própria educação.
  • Da mesma forma, podem ter dificuldades em conseguir crédito para o seu primeiro automóvel ou apartamento.

Os pais devem parar de comprar aparelhos que se conectam à internet?

Com este tipo de vazamento vindo a público, os pais irão pouco a pouco perceber o perigo no futuro dos filhos devido aos aparelhos e a tecnologia educativa utilizada na escola que estejam conectados à internet devido às falhas de segurança atuais.

À medida em que o universo da Internet das Coisas se expanda, a repulse a comprar itens digitais ficará maior.

Já nos acostumamos a compartilhar informações pessoais para facilitar a nossa vida, por isso, até que a proteção online às crianças aumente, os pais terão de analisar a importância dos dados que estão abrindo mão e os benefícios de ter os dados da criança utilizados pelas empresas que fornecem serviços online (leia-se Google ou sites de compras) e depois decidir o grau de risco que estão dispostos a tolerar.

Imagem: http://digisns.com/


 

Siga o Avast no Facebook, Twitter, YouTube e Google+, onde a gente mantém você atualizado todos os dias com notícias sobre segurança digital.