Segurança Cibernética

Propagandas: amor ou ódio?

Lisandro Carmona de Souza, 9 Outubro 2015

Propagandas: amor ou ódio?

Propagandas infiltradas são um problema crescente: chateação e perigo

Propagandas na Amazon Ataques de malvertising. Imagem: Google Security Blog

Há basicamente duas reações das pessoas quando veem propagandas no seu navegador. Algumas pensam que elas acrescentam conteúdo e possibilidades interessantes, ideias inovadoras ou até oportunidades. Outras as consideram uma distração, uma invasão e uma interrupção ao que estão fazendo.

Contudo a maioria concorda que, quando você começa algo em seu notebook ou smartphone, especialmente se se trata de algo relacionado com o seu trabalho profissional, você deseja ter foco e continuar aquilo que começou. Muitas pessoas se concentram tanto no que estão fazendo que não reparam nem pensam em nenhuma outra coisa, e quando uma propaganda indesejada aparece, quebra a sua concentração. Alguns vão dizer que é uma perspectiva apenas do homem. Mas até algumas mulheres com quem pude conversar a respeito concordam, elas que sempre dizem ser multitarefada e (cof, cof...) nunca perdem o foco.

Quando o assunto é segurança, as propagandas começam a ser cada vez mais um veículo de malwares. Malwares vindos através de propagandas são realmente uma ameaça hoje em dia. Uma vez dentro do seu aparelho – computador ou smartphone ‒, os malwares enviam novas propagandas em outros (ou na maioria) dos sites que você visita, garantindo a renda dos cibercriminosos por trás destas propagandas. Por exemplo, propagandas pornográficas maliciosas utilizam estas técnicas de redirecionamento e abuso dos cliques.

Uma pesquisa realizada pelo Google de junho a outubro de 2014 concluiu que a infiltração de propagandas é um problema importante na internet. Eles identificaram dezenas de milhões de casos de infiltração de propagandas e detectaram 5.3 milhões de diferentes endereços IP infectados por malwares, 5% do total de sites analisados. A pesquisa também descobriu que o Superfish, um dos mais famosos casos de injeção de propagandas, continua vivo e rentável, não somente pré-instalado em notebooks da Lenovo, mas também quebrando as proteções SSL em qualquer computador onde esteja sendo executado.

Formas de controlar propagandas indesejadas no seu navegador

Na Avast, estamos convencidos que os adwares nas barras de ferramentas dos navegadores têm um papel importante no mercado publicitário.

A nossa função Browser Cleanup detecta milhões de diferentes adwares que atingem os navegadores.

Dica: Execute o Avast Browser Cleanup no seu computador. Ele já identificou mais de 60 milhões de diferentes extensões dos navegadores que estão cheias de programas gratuitos, como tocadores de vídeo, atualizações Java e Flash.

Além das barras de ferramentas e extensões dos navegadores, programas gratuitos vêm frequentemente recheados de programas extras indesejados, transformando-os em bloatwares e veículos de PUPs. Mais uma vez, todo o lucro das propagandas é direcionado de volta aos criadores do pacote de programas. Realmente necessitamos ver ‒ e pior, instalar ‒ todo este lixo?

Dica: Vá devagar ao instalar programas gratuitos. Leia todas as telas e tenha certeza de que desmarcou corretamente todas as opções que instalam outros programas que você nunca ouviu falar. Você também pode querer testar antes o programa na Avast Sandbox.

Outra porta para as propagandas indesejadas são os programas desatualizados.

Dica: Mantenha atualizados os seus navegadores e outros programas. O Avast Software Updater pode ajudá-lo nesta tarefa.

Você pode ler em nosso blog como reduzir a coleta de dados do Windows 10 ou configurar corretamente as suas configurações do Facebook. Contudo, há outras medidas quando o assunto são sites. Há dois principais bloqueadores de propagandas: AdBlock and uBlock.

Dica: Visite o nosso fórum dos usuários para aprender e discutir as proteções efetivas de propagandas. Você encontrará algum dos nossos Evangelistas que podem guiá-lo com dicas fáceis de entender e implementar.

Siga o Avast no Facebook, Twitter, YouTube e Google+, onde a gente mantém você atualizado todos os dias com notícias sobre segurança digital.