Segurança Cibernética

PayPal registra 1 bilhão de pagamentos via telefone, mas antivírus para celular é besteira

Andre Munhoz Pinto, 22 Julho 2015

PayPal registra 1 bilhão de pagamentos via telefone, mas antivírus para celular é besteira

Responda rápido: qual antivírus você tem instalado em seu telefone? Se você levou mais de 3 segundos para dar uma resposta, então é melhor rever o seu comportamento online pois com a quantidade de transações monetárias e pagamentos feitos via celular hoje em dia, não há dúvidas nenhuma de que hackers estão cada vez mais interessados no que você guarda em seu computador de bolso, assim como o que você armazena em seu laptop.

samsung_swiftkey Compras via celular têm crescido rápido, muitas feitas em wi-fi de terceiros: antivírus e VPN agora são essenciais

Esta semana, durante uma entrevista à rede de televisão norte-americana CNN, o CEO da PayPal, Dan Schulman, informou que em 2014 a empresa registrou mais de 1 bilhão de pagamentos via telefone. De acordo com o site Statista, no ano passado foram vendidos 1,3 bilhão de smartphones, ou seja, podemos dizer que praticamente para cada celular comprado no mundo em 2014, uma transação monetária foi feita com ele via PayPal.

Entretanto, há quem acredite ainda que não há riscos e nem necessidade de se adquirir algum tipo de proteção para o seu aparelho celular. Desculpas do tipo: “mas eu não faço nada de especial com meu celular” ou “eu não tenho nada a esconder” ou a minha predileta “eu só uso o celular para fazer ligações e usar o Whatsapp, quem vai se interessar por isso?”, ainda são muito comuns.

Não há dúvidas nenhuma de que ataques a computadores e servidores continuam a ser mais lucrativos pois esses aparelhos têm um poder de armazenamento de dados muito maior, embora esta realidade venha mudando drasticamente. Até porque hoje em dia muitos aparelhos celulares servem como porta de entrada para PCs, roteadores e servidores, portanto, muitas vezes, o objetivo do hacker não é atacar seu celular, mas sim seus dados, ou os dados da sua empresa, armazenados em algum outro local. E isto pode ser feito com um vírus em seu Android, por exemplo.

Usuários de iPhone também sob risco

Sabemos que há aquela lenda de que “quem usa iPhone e produtos Apple está seguro”, mas não é bem por aí. É verdade que existem poucos vírus para os produtos da maçã, mas os ataques a eles podem ser feitos de uma outra maneira: através da invasão via roteadores domésticos mal protegidos ou wi-fi aberta/pública.

Por exemplo, se você estiver em um restaurante utilizando a wi-fi gratuita daquele estabelecimento, um hacker sentado à mesa ao lado poderá acessar a rede e, através de aplicativos de coleta de dados, invadir todos os aparelhos conectados àquela wi-fi e acessar as informações transmitidas por esses dispositivos.

Recentemente, a Avast fez um experimento em São Paulo com mais de 5 mil hotspots com internet gratuita. E 49% deles estavam vulneráveis a ataques deste tipo. Neste teste, a equipe de engenheiros da Avast conseguiu ter acesso a e-mails, fotos, vídeos e outros documentos pessoais que estavam sendo transmitidos por àquelas redes. E advinha o que mais? Muitas dessas informações eram oriundas de produtos iOS como iPhone, iPad e Mac.

Portanto, não é só antivírus que precisamos instalar em nossos celulares, mas também um VPN (Virtual Private Network) que criptografa os dados transmitidos entre um dispositivo e servidor ou roteador.

Agora é a sua vez caro leitor! Conte-nos: como você tem garantido a segurança dos seus dados e compras através de seu celular?