Segurança Cibernética

Universidades parecem não investir em sistemas de computação

Andre Munhoz Pinto, 10 Setembro 2014

Universidades parecem não investir em sistemas de computação

Eu ingressei na universidade em 1998, um momento em que vivíamos a transição do mundo analógico para o digital. Ainda era possível ver algumas máquinas de datilografar em certos departamentos da instituição e a sala de computação contava com alguns poucos “dinossauros” conhecidos popularmente como desktops que eram mais lentos do que uma tartaruga com câimbra, mas ajudavam bastante na redação de textos, os quais deveriam ser armazenados em disquetes (alguém aí lembra disso?).

Memórias à parte, já estamos em 2014 quando a empresa Avast Antivírus acaba de publicar uma pesquisa feita com universidades nos Estados Unidos apontando que 8 em cada 10 instituições de estudos norte-americanas dizem não ter um orçamento específico para o setor de TI (Tecnologia da Informação) e mais de um quarto das universidades pesquisadas na realidade nem se quer reservaram dinheiro para investimentos com computação este ano.

 

Algumas universidades hoje em dia até dão computadores aos seus estudantes como "brinde" por escolher aquela instituição, mas isso não significa investir em computação Algumas universidades hoje em dia até dão computadores aos seus estudantes como "brinde" por escolher aquela instituição, mas isso não significa investir em computação

 

E quando a gente pensa que pior que tá não fica, nos aparece mais um dado impressionante: 1 em cada 5 instituições ainda utilizam o WindowsXP, que foi lançado em 2001 (quando eu ainda frequentava as salas de aula) e que em abril deste ano passou a não contar mais com o suporte da Microsoft, tornando o sistema altamente vulnerável para ataques de cibercriminosos. Esta pesquisa ainda não foi feita no Brasil, embora fosse interessante conhecer a realidade por aqui, e é difícil dizer o porquê desse tipo de comportamento, entretanto, uma das possíveis razões se deve ao fato de que computação em universidades ainda está diretamente relacionada a pesquisas e desenvolvimento de trabalhos acadêmicos, o que é um grande erro.

Uma universidade é uma empresa como outra qualquer e possui em seu banco de dados um grande número de informações que pode certamente ser de grande valor para hackers em todo o mundo. Lá é possível acessar nomes completos dos estudantes e seus familiares, endereços, históricos de estudos, números de telefones, e-mails, contas bancárias, etc. Nos Estados Unidos a Avast possui o chamado AVAST FREE for Education, que auxilia universidades locais com a segurança de dados e da rede de computadores. No Brasil, por enquanto, a melhor opção é a utilização de antivírus empresariais que facilitam na administração do sistema de TI, como por exemplo o avast! EndPoint Protection, que possui a função de gerenciamento remoto de rede, fazendo com que mesmo jovens estudantes de 20 anos possam ser capazes de monitorar as possíveis vulnerabilidades do sistema e criar relatórios para que o problema não volte a ocorrer. E o melhor, o avast! EndPoint Protection ainda cobre o Windows XP.

O mundo digital com certeza evoluiu e muito nos últimos 16 anos, entretanto, universidades nos Estados Unidos ainda tratam o assunto de segurança digital como secundário. Será que no Brasil seguimos o mesmo caminho?

Obrigado por utilizar o avast! Antivírus e por recomendar-nos aos seus amigos e familiares. Encontre as últimas notícias, divirta-se, participe de concursos e muito mais no Facebook,Twitter, Google+ e Instagram. Dono do próprio negócio? Descubra mais sobre os nossos produtos corporativos.