Protecting over 230 million PCs, Macs, & Mobiles – more than any other antivirus

Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Brasil’
26, junho, 2015

Nos carros do futuro, gadgets serão mais importantes do que aerodinâmica e rodas tala larga

Interessantíssimo o texto publicado por Ronaldo Lemos, diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro, na Folha de São Paulo, no último dia 25 de maio. Intitulado O futuro é dos carros conectados, o colunista explica que em breve teremos “smart carros”, assim como hoje em dia temos “smart phones”. É a tecnologia envolvendo todas as áreas do nosso dia a dia. E acredite, isto já está, parcialmente, à venda!

Ferrari2

O que te chama mais a atenção nesta imagem? A Ferrari ou a tecnologia? No futuro, sua opinião poderá ser diferente

A empresa norte-americana Tesla Motors, pioneira na fabricação de carros elétricos, já possui versões cujas algumas de suas funções mais importantes podem ser controladas via telefone, como por exemplo, o travamento das portas.

A esposa de um dos diretores da Avast possui um Tesla com este recurso e ao estacionar o veículo certa vez, só reparou que sua bolsa com o telefone estava dentro do carro após fechar a porta, que instantaneamente travou e bloqueou tudo. Ela então parou uma pessoa na rua e pediu seu telefone emprestado, baixou o aplicativo que controla esta função, destravou o veículo, desinstalou o app do telefone da pessoa desconhecida e recuperou a bolsa. Tudo isso em questão de minutos sem precisar chamar o chaveiro ou acionar o seguro.

Se isto já soa interessante, o texto de Ronaldo Lemos vai muito além, e relata a utilização de um aplicativo que poderá ajudar o dono do veículo a ganhar descontos com seguro ao monitorar se o mesmo dirige com segurança ou não. Mas o mesmo aplicativo pode ainda ser usado para aplicar multas, o que diminuiria as responsabilidades de fiscais de trânsito e deixaria muito apressadinho com a pulga atrás da orelha.

Mas mais do que isso ainda há as possibilidades de monitoramento do veículo e do dia a dia do motorista. Se você for o pai ou a mãe de um jovem adulto e quer ter certeza de que ele ou ela está dirigindo com responsabilidade, talvez este aplicativo seja uma “mão na roda”. Mas há muitas outras razões para não querer ser monitorado.

E é por isso que a necessidade da utilização de antivírus vai se tornando cada vez mais importante nos dias atuais. Ainda há uma grande inércia à ideia de se instalar produtos de segurança em telefones celulares e tablets. Talvez porque os dados que guardamos nesses aparelhos não parecem ser “tão nocivos” assim como se imagina. Afinal de contas, a planilha de Excel com os resultados dos seus negócios, os trabalhos escolares e o backup de fotos são guardados no seu PC, certo? Mas se o seu telefone for capaz de se comunicar com seu smart carro, daí é melhor começar a se preocupar um pouco mais com suas atitudes online.

Por exemplo, ainda há muita gente achando que é “exagero” se preocupar com um roteador doméstico ligado 24 horas por dia, 7 dias por semana, como pode ser visto em uma discussão no Facebook da Avast após publicarmos este texto. E isto ocorre em uma época em que mais e mais ataques de hackers estão ocorrendo via Wi-Fi privada. Aliás, há os que ainda utilizam senhas fáceis de serem descobertas para proteger seus roteadores, como 123456789, achando que nada pode acontecer…

Voltando ao texto de Ronaldo Lemos, gadgets estão ganhando cada vez mais espaço em veículos comuns ou tunados ao ponto de começarem a ter mais importância do que o design, a aerodinâmica ou a roda do possante. Ok, talvez eu esteja exagerando, mas imagina se você pudesse controlar a pressão dos seus pneus diretamente do seu celular, ou o tamanho da roda dependendo do dia? Ou se pudesse rebaixar o carro até o chão diretamente do seu tablet e voltá-lo à posição normal a qualquer momento a partir de um simples comando no aparelho?

Enfim, os gadgets que lhe permitem fazer essas mudanças ganharão mais destaque e importância no seu veículo fazendo as revistas especializadas em automóveis se tornarem verdadeiras mídias da tecnologia, de preferência dando destaque à segurança online. Eu não vejo a hora de isso acontecer! E você?

15, junho, 2015

Por que você deveria desligar sua Wi-Fi ao sair de casa

Neste fim de semana organizei um churrasco lá em casa e convidei alguns amigos que convidaram outros amigos e por foi. Meu cunhado então pediu para que eu ligasse a minha Wi-Fi para ele conectar seu telefone à internet e acessar o Facebook. Foi então que eu ouvi de uma amiga de um amigo o comentário que começou com uma indagação: “mas para que desligar a Wi-Fi? Lá em casa eu deixo meu roteador sempre ligado”. Eu quase dei um banho de sal grosso na picanha ao ouvir essa.

Scan your router with Avast's Home Network Security scanner.

Roteadores domésticos: o novo canal de ataque. Proteja-se com o Home Network Security

Estamos em pleno 2015 e parece que muita gente ainda leva segurança online na brincadeira. Gente, este é um assunto importante. Deixar sua Wi-Fi ligada 24 horas por dia, 7 dias por semana é uma ostentação cibernética que pode acabar em tragédia.

Isso porquê ao deixar a sua internet ligada você também mantém exposta a sua conexão: “ah, mas a minha Wi-Fi tem senha”, muitos irão dizer. Ao que eu respondo: qual senha? 0123456789? Geralmente, a resposta é positiva seguida do “como você sabe?”; e quando é negativa eu ouço algo do tipo: “ah nem sei a minha senha foi dada pela marca de roteador que comprei…”

De acordo com um recente estudo feito pela Avast Software, a grande maioria dos brasileiros possui senhas de acesso ao roteador que podem ser facilmente quebradas por um hacker. Algumas, como a de cima citada, são as que os hackers tentam de imediato. Basta um CtrlC/CtrlV para quebrá-la e acessar todos os dados do usuário. Outras, como o endereço da rua, data de aniversário também são bem fáceis de serem descobertas. E, ao deixar a sua internet ligada 24/7, além de gastar energia extra, ainda dá ao criminoso tempo suficiente para invadir seu roteador e preparar ataques não só a você, mas a outros computadores, como os que serão conectados ao seu roteador no futuro.

Foi assim que um grupo de hackers conhecido como Lizard Squad invadiu os servidores do Xbox e do PlayStation no Natal passado: através de roteadores domésticos. Portanto, se você acha que só instalar um antivírus em seu PC resolverá a sua vida, então é melhor começar a mudar de ideia, pois o buraco é mais embaixo, meu amigo!

O seu roteador agora é o veículo de acesso aos seus dados. A Avast, por exemplo, lançou este ano o recurso Home Network Security em seus produtos de segurança, para que este tipo de proteção seja adicionado. Com ele, você pode verificar a situação do seu roteador e se prevenir antes que problemas apareçam.

E aí, como você se protege em casa? Você possui senha no seu roteador?

 

16, abril, 2015

O Avast realmente protege contra qualquer vírus?

A pergunta que forma o título deste artigo é uma das mais comuns que recebemos via redes sociais, suporte técnico ou que eu ouço durante os churrascos de fim de semana na casa de amigos. Quando um amigo do amigo descobre que eu trabalho na Avast dá para ver os olhos da pessoa brilhando de alegria e dizendo: “ah, agora vou descobrir a verdade”. E entre uma garfada na picanha, um gole na cerveja e uma arrumadinha nos óculos escuros, me questiona sobre o quão seguro o Avast realmente é. Ainda têm aqueles que, no meio da balada de sábado para o domingo, querem saber como tirar um vírus do celular. Mas estes, sinceramente, se receberam alguma resposta não quero nem saber qual foi…

Avast_Interface

A interface do Avast mostrando a situação do meu PC: será que o Avast realmente protege?

Portanto, vamos ao que interessa.

O sistema de proteção do Avast se dá através da atualização da base de dados de vírus, ou vírus data base. Para entender isso melhor, é importante ter em mente que um vírus ou malware é nada mais do que um código de computador. Um código que pode ser extremamente complexo ou incrivelmente simples, geralmente composto por números, letras e caracteres especiais.

A expressão vírus de computador vem do princípio de que, assim como um vírus que atinge humanos, ele causa danos à alguma parte que torna os movimentos básicos que o PC (ou o ser humano) tem de fazer diariamente através do comando de uma célula. Mas, diferentemente de um caso real de vírus, no mundo digital é mais “fácil” de se criar “vacinas” contra vírus. Basta descobrir qual é o código de letras, números e caracteres especiais criado por um hacker e adicioná-lo à sua data base de vírus. Fácil, não?

Nem tanto! Embora isso possa soar simples, por outro lado é preciso ter em mente que é muito mais fácil de criar e espalhar um vírus de computador do que um que atinja humanos. Portanto, o número de vírus para PCs pode chegar à uma quantidade estratosférica considerando que há milhões de hackers ao redor do mundo trabalhando 24 horas por dia, 7 dias por semana para criar novas pragas que atingirão o seu computador.

Como o Avast antivírus combate esta realidade

Para ter certeza de que sua base de dados de vírus está sempre atualizada com os códigos mais recentes, o Avast antivírus conta com o auxílio de 230 milhões de pessoas ao redor do mundo que usam seus produtos. Quando uma ameaça é coletada por um usuário e enviada para o laboratório de vírus da Avast, esta ameaça é analisada e, caso fique comprovado que ela é uma praga, o Avast cria imediatamente uma vacina e envia a mesma a todos os computadores que possuem Avast no mundo simultaneamente.

Embora isso não seja nenhuma novidade, pois vários softwares de antivírus utilizam técnicas similares, o que torna o Avast mais eficiente do que outros produtos de segurança é justamente o fato de que a empresa possui mais de 230 milhões de usuários no mundo (34 milhões só no Brasil), superando qualquer outra companhia do ramo. Ou seja, quando um vírus novo é lançado no mercado ele é rapidamente identificado pelo Avast. Atualmente, o laboratório de vírus da Avast recebe todos os dias cerca de 50 mil amostras de vírus.

Então tá… mas agora me diga, por que meu PC foi infectado mesmo tendo Avast instalado?

Esta pergunta depende muito da maneira como você usa o seu PC. Muitas vezes o Avast informa sobre algum arquivo potencialmente maligno, mas por confiar na origem do mesmo ou acreditar que nada pode acontecer, você acaba aceitando o download, apesar da mensagem de aviso sobre a ameaça.

Outro motivo é que muitos usuários de computador não atualizam seus softwares com frequência, como Java, Skype, programas de acesso bancário, etc. E aí é que está o perigo. Hackers utilizam versões antigas de softwares famosos para realizar o ataque, assim um código novo pode ficar instalado dentro daquele programa e atuar quando menos se espera. E mesmo que o antivírus esteja atualizado, o vírus no programa desatualizado pode abrir espaço para ataques de novas pragas dentro do seu computador e que não foram ainda identificadas pelo antivírus.

Hoje em dia, alguns antivírus possuem um sistema de atualização automática de software, que é o caso do Avast Premier, para ajudar neste processo de segurança.

A verdade é que o antivírus atua como um guardião, mas a proteção de um computador depende majoritariamente do usuário em si. E você? Já atualizou o seu antivírus hoje? Já atualizou seus programas?

20, janeiro, 2015

Gerente de eCommerce do Avast no Brasil fala dos planos para 2015

William R. Plaza do Hardware.com.br – um dos sites mais respeitados em matéria de hardware, redes, Linux e tecnologia em geral – entrevistou André M. Pinto, nosso gerente de eCommerce para o Brasil. Leia abaixo a íntegra da entrevista publicada há alguns dias.

Introdução

A nossa entrevista de hoje é com o Andre Munhoz Pinto, gerente de eCommerce da Avast no Brasil. De forma lúcida e sincera Andre nos conta como o Avast está preparada para a segurança dos novos dispositivos da Internet das Coisas, como a empresa vem liderando o mercado brasileiro de soluções de segurança e etc.

Confira:

Hardware.com.br: Primeiramente André quero te agradecer por aceitar a entrevista e para início de conversa, eu queria que você explicasse para os nossos leitores um pouco do seu trabalho na Avast e quais são os planos da empresa para 2015.

André Munhoz Pinto: Eu sou gerente de eCommerce da Avast para o mercado brasileiro. Sou responsável por promover a marca e produtos da empresa no Brasil através das nossas mídias sociais, mensagens dentro dos produtos e parcerias com outras empresas do setor. Meu trabalho é entender o que o brasileiro em geral precisa em termos de segurança online e traduzir isso em informação, promoções de marketing e sugestões técnicas para os nossos engenheiros de TI.

A Avast fechou o ano de 2014 com 62% do mercado de antivírus no Brasil, portanto, meu foco principal em 2015 é manter este nível de alcance e, ao mesmo tempo, ajudar os brasileiros com informação sobre as novas ameaças para a segurança online, principalmente com relação a smartphones e tablets.

Hardware.com.br: Com tantas formas de burlar a licença dos programas atualmente, como convencer os usuários a adquirirem uma licença de uma suíte de segurança? Está mais difícil atualmente do que em anos anteriores?

André Munhoz Pinto: Tudo depende da qualidade do produto. O mercado de antivírus tem uma concorrência muito grande, com muitos bons produtos grátis e outros a baixo custo, portanto, ter um bom produto e boa tecnologia é fundamental. Não acho que está mais difícil de vender hoje em dia do que no passado, porque embora temos uma maior concorrência, o consumidor final também está mais bem informado. Ele ou ela sabe que não pode ficar sem antivírus e se preocupa muito com licenças “grátis“ que podem ser adquiridas online. Quando identificamos um usuário utilizando uma licença paga a qual não foi adquirida legalmente, nós primeiro oferecemos a compra do nosso produto e depois cortamos o serviço daquela licença. Em alguns casos, podemos até mesmo abrir processos judiciais, mas na grande maioria das vezes os usuários que tentam burlar a nossa licença acabam virando nosso cliente.

Hardware.com.br: De acordo com a AV-Test em 2014 houve um aumento de 73% de novos Malwares em relação a 2013, como o Avast se mantém preparado para estatísticas tão alarmantes como essa?

André Munhoz Pinto: Para nós isto não é surpresa! E não será surpresa se este número aumentar ainda mais em 2015. Só para você ter uma ideia, em 2011 tinhamos em nosso banco de dados 100 mil amostras de malwares desenvolvidos somente para celulares e tablets, em 2014 registramos 1 milhão de amostras. O consumidor final precisa entender que hoje em dia hackers são profissionais do ramo, não são mais adolescentes sentados em um quarto escuro bebendo refrigerante e comendo pizza amanhecida. Hackers estão 24 horas por dia, 7 dias por semana trabalhando nisso. Para dar conta desses ataques, a Avast possui o IQ Community, que lança uma nova ameaça de vírus automaticamente ao nosso laboratório assim que ela aparece. São 50 mil amostras diárias de vírus que recebemos. Elas são checadas e, uma vez o vírus é identificado, criamos a vacina e enviamos uma atualização automática para todos os nossos usuários no mundo. Isso ocorre praticamente em tempo real, portanto, conseguimos identificar e combater uma ameaça mais rápido do que grande parte dos nossos concorrentes. Há um vídeo curto no YouTube explicando como o IQ funciona, clique aqui.

Hardware.com.br: Em sua opinião o embate entre a Sony Pictures e a Coréia do Norte, mudou de uma vez por todas as perspectivas de ataques? Podemos estar caminhando para um grande ciberguerra?

André Munhoz Pinto: Talvez a ciberguerra já esteja acontecendo e nem sabemos disso, mas o que aconteceu com a Sony Pictures ajudou a abrir os olhos de muita gente que achava que isso era mentira. Em 2014 tivemos vários ataques sérios a empresas de varejo como a loja Target, nos Estados Unidos, onde muito dinheiro e dado dos clientes foram roubados do dia para a noite. Não vou entrar em questões políticas, mas para o consumidor final é importante manter controle de seus dados online para manter-se seguro. Cada vez mais os ataques estão ocorrendo na comunicação entre um roteador e um servidor, ou seja, hoje em dia, não é nem mais necessário invadir um PC fisicamente para roubar seus dados.

Hardware.com.br: Durante a CES desse ano, o conceito de internet das coisas inundou o evento, indo de vaso de plantas controlado por Smartphone a os sistemas autônomos para veículos, como o Avast está se preparando para essa nova leva de dispositivos conectados? Teremos softwares especiais para essa nova realidade? André Munhoz Pinto: Boa pergunta! E a resposta dela vai muito de acordo com o que comentei na resposta anterior. Com a Internet das Coisas se popularizando veremos cada vez mais um número maior de dispositivos conectados ao mesmo roteador. Ou seja, se um hacker invadir sua rede doméstica de acesso à internet, ele poderá roubar os dados de todos os computadores ligados ao seu roteador, e aí inclui celular, tablet, laptop, TV, rádio e qualquer outro produto eletrônico ou equipamento gerenciado via Wi-Fi, como por exemplo a iluminação da sua casa. Dessa forma, criminosos poderiam até mesmo verificar quais são os dias e horas que você está em casa ou não; ou se você tiver uma chave eletrônica, poderão desativar a mesma. A Avast acaba de se tornar a primeira empresa do mercado de antivírus a lançar o Home Network Security. Um recurso que escaneia o seu roteador em busca por vulnerabilidades. Através deste sistema (que é gratuito) o consumidor poderá verificar se houve ou não uma tentativa de ataque ao seu roteador e, então, agir rapidamente para impedir qualquer dano à sua segurança. Acreditamos que esta é a melhor maneira, no momento, de mantermos a segurança de nossas clientes em dia. Hardware.com.br: Na versão 2015 do Avast internet Security há diversas opções de segurança muito interessantes, como SecureDNS por exemplo, mas também há ferramentas como o Software Updater que atualiza os programas que o usuário tiver na máquina para evitar que falhas prejudiquem a segurança do mesmo. Como ocorre o desenvolvimento dessas novas ferramentas? A decisão de incluir ou não algum recurso é uma tarefa complicada? André Munhoz Pinto: Na verdade, este é um processo que nunca termina. Pois após a implementação de um novo recurso temos de verificar no mercado como as pessoas estão usando o mesmo e se estão satisfeitas ou não com ele. Portanto, quando um recurso é implementado ele geralmente já passou pela análise não somente de nossos engenheiros e diretores, mas também do consumidor final. Não acho isso um processo complicado, pois aqui na Avast somos apaixonados pelo o que fazemos, principalmente a implementação de um novo recurso. Hardware.com.br: O Avast completou 25 anos de história e 200 milhões de clientes durante todo esse período, qual a formula do sucesso nesse mercado tão competitivo? André Munhoz Pinto: Acho que essa pergunta caberia mais aos nossos cofundadores que ainda trabalham na empresa, mas no meu ponto de vista há dois fatores primordiais: 1) produtos e tecnologia de ponta; 2) paixão pelo o que fazemos. O ambiente dentro da empresa é muito positivo e acredito que isto faz com que o sucesso venha mais rápido. Hardware.com.br: Para encerrar queria que você dissesse o que podemos esperar em 2015 nesse mundo rotativo de Malwares, e se as dicas de proteção que já são conhecidas por grande parte dos usuários, ainda prevalecem, ou se a perspectiva está mudando e temos que começar a utilizar novos métodos. E deixe também as mídias sociais do Avast para que nossos leitores encontrem mais sobre vocês. André Munhoz Pinto: Publicamos recentemente em nosso blog dois artigos com as previsões para 2015, você pode ler mais detalhes aqui e aqui. Entretanto, na minha opinião a grande novidade está no ataque a roteadores, algo ainda praticamente desconhecido por grande parte dos usuários. A área de „malware móveis“ (celulares e tablets) também deverá crescer, considerando que muita gente está acessando a internet através desses dispositivos. Também veremos um aumento no número de ataques via mídias sociais já que Facebook, por exemplo, permite agora a publicação de vídeos diretamente nos murais dos usuários, ou seja, mais brechas surgirão. Com relação às „antigas dicas“ de proteção, elas continuam mais vivas do que nunca pois acredite ou não a contaminação de computadores através de spams e phishing continua muito popular. Para quem quiser saber mais sobre a Avast, acesse o nosso blog, Facebook ou Twitter.

Comments off
26, novembro, 2014

Crimes online aumentam durante o Black Friday

Na próxima sexta-feira, dia 28 de novembro, teremos o Black Friday, que ocorre todos os anos nos Estados Unidos um dia após o feriado de Ações de Graça. Com o fim das compras para celebrar a data, lojas de varejo promovem descontos gigantes em seus produtos para se livrar do que ficou emperrado nas prateleiras, o que leva milhões de pessoas às compras não só nas ruas, mas também online. Com isso, o Black Friday também tem se tornado um ótimo momento para ataques cibernéticos.

BlackFriday-crookPT (2)

No Brasil, a data vem crescendo em popularidade e o número de vendas aumentando ano após ano. Em uma matéria publicada pelo site de tecnologia TechTudo (parte das organizações Globo), o evento em 2013 movimentou R$ 424 milhões, o que significa 95% acima do que foi registrado no ano anterior. Ou seja, o Black Friday é um prato cheio para ataques cibernéticos e não há dúvidas que hackers ao redor do mundo estão fazendo hora extra neste momento.

“O volume de transações de varejo aumentam por volta de 50% durante o feriado e varejistas não querem diminuir o ritmo do negócio, então eles relaxam um pouco com seus controles de fraudes. Assim, criminosos sabem que têm a chance de faturar mais”, explica Avivah Litan, vice-presidente da Gartner Inc. em uma entrevista ao Wall Street Journal.

De acordo com números divulgado pela empresa de segurança Imperva, os ataques cibernéticos durante a última temporada de compras nos Estados Unidos (entre 14 de novembro de 2013 e 9 de janeiro de 2014), aumentaram 264% nas duas semanas antes do período. Qual a razão para isso?

Primeiro, as chances de sucesso ao realizar um ataque são maiores com uma grande quantidade de consumidores comprando produtos aleatoriamente. Segundo, para não perder clientes que possuem várias opções de compra nesta época do ano, muitas lojas de e-commerce passam a utilizar níveis de segurança mais simples. Por exemplo, suspendem passos de autenticação do cliente ou banem o Captcha (sistema que pede ao consumidor para digitar letras e números de difícil visualização). Com isso, falsos websites de compras ganham espaço e se tornam uma ameaça real.

Como se proteger de ataques durante o Black Friday

  • Faça compras somente em páginas https: antes de digitar o número do seu cartão de crédito/débito na tela do computador, certifique-se que o site que você está acessando é seguro. Para isso, procure por https no canto esquerdo do seu navegador.
  • Não faça compras usando internet aberta/pública: tá afim de aproveitar aquele desconto que você viu ao navegar online em seu telefone usando uma internet pública (por exemplo de um restaurante)? Pense duas vezes. Muitos ataques hoje em dia ocorrem diretamente em servidores ou roteadores. Na dúvida, melhor evitar. Aguarde até chegar em casa para utilizar uma internet segura. (Isso é válido também para uso da internet em Lan House)
  • Mude sua senha: essa dica já é famosa, mas ainda muito ignorada. Troque as suas senhas de acesso às lojas virtuais antes de realizar compras no Black Friday e não utilize a mesma senha para vários sites, principalmente se esta senha já é usada para acessar a sua conta bancária online.
  • Monitore a sua conta bancária: não deixe de acompanhar a movimentação do seu dinheiro e informe o banco caso encontre alguma discrepância.

Embora o perigo seja iminente, ao seguir boas práticas de uso da internet você estará seguro durante o Black Friday.

Mais de 200 milhões de pessoas e negócios confiam nos aplicativos de segurança da Avast Software para Windows, Mac e Android. Por favor, siga-nos no FacebookTwitter e Google+.

Comments off
24, novembro, 2014

4 em cada 5 domicílios no Brasil estão sob risco de ataques cibernéticos

Uma recente pesquisa feita pela Avast aponta que 4 em cada 5 domicílios no Brasil que utilizam internet estão sob sérios riscos de sofrerem ataques cibernéticos. De acordo com o estudo, o maior vilão nesta história é o roteador doméstico utilizado pelos usuários de internet no Brasil.

Home Network_pt-br

A imagem acima mostra como os seus dados podem ser desviados no caminho entre o seu roteador e um servidor

A Avast fez a pesquisa com mais de 18 mil domicílios no Brasil e constatou que mais da metade dos roteadores no país possuem configurações padrão de fábrica, facilitando o trabalho de hackers. Além disso, outros 30% de consumidores disseram que utilizam senhas de fácil acesso, como por exemplo: numeração de 1 a 8, endereço da casa, nome de família, etc.

“Roteadores inseguros criam um ponto de fácil acesso para os hackers atacarem milhões de redes domésticas no Brasil”, diz Vince Steckler, Chief Executive Officer da Avast. “Nossa pesquisa revelou que a vasta maioria dos roteadores caseiros no Brasil não são seguros. Se um roteador não está propriamente seguro, cibercriminosos podem facilmente ganhar acesso às informações pessoais de um indivíduo, incluindo informações financeiras, senhas, fotos e o histórico do navegador de internet”, explica Vince.

O problema ganha uma proporção ainda maior se considerarmos que o ataque ao roteador pode ser muito mais vantajoso do que a um computador em si. Primeiro porque, geralmente, há um grande número de dispositivos conectado ao roteador, ou seja, as chances de atingir o sucesso com um ataque desses são muito maiores do que trabalhar em um computador independente. Outra vantagem é o fato de que até o mês passado não existia nenhuma ferramenta especificamente criada para proteger o roteador, transformando este caminho em um atalho para crimes cibernéticos.

Pensando nisso, a Avast acaba de lançar a versão 2015 de seu antivírus trazendo como recurso padrão o Home Network Security, que criptografa os dados entre o roteador do usuário e o servidor da Avast, fazendo com que se torne impossível para qualquer hacker ter acesso a esses dados. E o melhor de tudo é que esta função está disponível para usuários do produto grátis.

Já o novo pacote de serviços pagos do Avast 2015 ainda inclui a proteção anti-sequestro de DNS que impede hackers de redirecioná-lo à uma página falsa que se parece com a original. Geralmente, as vítimas desse tipo de golpe acabam adicionando seus dados pessoais, número de cartão de crédito e contas e senhas de bancos sem saber que alguém consegue copiar essas informações para utilizá-las depois com o intuito de roubar a identidade e/ou o dinheiro do internauta ou mesmo para realizar espionagens.

O Avast 2015 foi oficialmente lançado no Brasil no dia 12 de novembro último e a nova versão já pode ser adquirida gratuitamente no site oficial da empresa.

Mais de 200 milhões de pessoas e negócios confiam nos aplicativos de segurança da Avast Software para Windows, Mac e Android. Por favor, siga-nos no FacebookTwitter e Google+.

10, setembro, 2014

Universidades parecem não investir em sistemas de computação

Eu ingressei na universidade em 1998, um momento em que vivíamos a transição do mundo analógico para o digital. Ainda era possível ver algumas máquinas de datilografar em certos departamentos da instituição e a sala de computação contava com alguns poucos “dinossauros” conhecidos popularmente como desktops que eram mais lentos do que uma tartaruga com câimbra, mas ajudavam bastante na redação de textos, os quais deveriam ser armazenados em disquetes (alguém aí lembra disso?).

Memórias à parte, já estamos em 2014 quando a empresa Avast Antivírus acaba de publicar uma pesquisa feita com universidades nos Estados Unidos apontando que 8 em cada 10 instituições de estudos norte-americanas dizem não ter um orçamento específico para o setor de TI (Tecnologia da Informação) e mais de um quarto das universidades pesquisadas na realidade nem se quer reservaram dinheiro para investimentos com computação este ano.

 

Algumas universidades hoje em dia até dão computadores aos seus estudantes como "brinde" por escolher aquela instituição, mas isso não significa investir em computação

Algumas universidades hoje em dia até dão computadores aos seus estudantes como “brinde” por escolher aquela instituição, mas isso não significa investir em computação

 

E quando a gente pensa que pior que tá não fica, nos aparece mais um dado impressionante: 1 em cada 5 instituições ainda utilizam o WindowsXP, que foi lançado em 2001 (quando eu ainda frequentava as salas de aula) e que em abril deste ano passou a não contar mais com o suporte da Microsoft, tornando o sistema altamente vulnerável para ataques de cibercriminosos. Esta pesquisa ainda não foi feita no Brasil, embora fosse interessante conhecer a realidade por aqui, e é difícil dizer o porquê desse tipo de comportamento, entretanto, uma das possíveis razões se deve ao fato de que computação em universidades ainda está diretamente relacionada a pesquisas e desenvolvimento de trabalhos acadêmicos, o que é um grande erro.

Uma universidade é uma empresa como outra qualquer e possui em seu banco de dados um grande número de informações que pode certamente ser de grande valor para hackers em todo o mundo. Lá é possível acessar nomes completos dos estudantes e seus familiares, endereços, históricos de estudos, números de telefones, e-mails, contas bancárias, etc. Nos Estados Unidos a Avast possui o chamado AVAST FREE for Education, que auxilia universidades locais com a segurança de dados e da rede de computadores. No Brasil, por enquanto, a melhor opção é a utilização de antivírus empresariais que facilitam na administração do sistema de TI, como por exemplo o avast! EndPoint Protection, que possui a função de gerenciamento remoto de rede, fazendo com que mesmo jovens estudantes de 20 anos possam ser capazes de monitorar as possíveis vulnerabilidades do sistema e criar relatórios para que o problema não volte a ocorrer. E o melhor, o avast! EndPoint Protection ainda cobre o Windows XP.

O mundo digital com certeza evoluiu e muito nos últimos 16 anos, entretanto, universidades nos Estados Unidos ainda tratam o assunto de segurança digital como secundário. Será que no Brasil seguimos o mesmo caminho?

Obrigado por utilizar o avast! Antivírus e por recomendar-nos aos seus amigos e familiares. Encontre as últimas notícias, divirta-se, participe de concursos e muito mais no Facebook,TwitterGoogle+ e Instagram. Dono do próprio negócio? Descubra mais sobre os nossos produtos corporativos.

Comments off
4, setembro, 2014

Porque vírus para celular não é uma lenda

Outro dia um amigo meu comparou a existência de vírus para celular com o Saci Pererê: “todo mundo já ouviu falar, mas ninguém nunca viu nenhum”. Apesar desta ser uma boa “tirada”, ela não é de nenhuma maneira engraçada. Aliás é um tanto quanto trágica. Se você nunca viu, não significa que não existe.

new-AMSpost_img-300x300

Quer evitar ataques ao seu celular? Baixe aplicativos somente em lojas oficiais

Há indícios de que programas maliciosos começaram a se alastrar em telefones móveis há mais de uma década, ou seja, muito antes dos famosos smartphones darem as caras. A diferença é que, naquela época, usávamos nossos celulares “só” para telefonar, ou no máximo mandar algumas mensagens de texto. Hoje o telefone móvel é um computador de bolso. Temos lá nossas vidas: agendas de contato, diários, planilhas de Excel, emails, acesso às redes sociais, podemos gerenciar lá nosso dinheiro, pagamentos e usos de cartões de crédito e débito, consultamos GPS e endereços, deixando lá o histórico de nossas rotas diárias, etc. Esqueci alguma coisa?

Acredito que sim. Caro leitor, me ajude nessa! O que mais podemos fazer com o celular? E depois eu pergunto: você acha que todas essas informações armazenadas em um único local não chamaria a atenção de cibercriminosos?

O problema é que, às vezes, você instala um aplicativo que não parece ser malicioso, mas que do nada passa a atacá-lo. Isso geralmente ocorre ao baixar programas de lojas não oficiais, mas pode acontecer também que um de seus contatos foi quem cometeu o equívoco de instalar um aplicativo de risco e, depois de contaminado, passa a enviar malwares para você via SMS.

“Enquanto pode demorar um tempo para criadores de malware para celular burlar lojas oficiais e suas políticas de venda, há maneiras menos maliciosas dos desenvolvedores de aplicativos nocivos tomar vantagem do mercado”, explica Filip Chytry, Analista de Malware da avast!. Segundo ele, existe uma “linha fina” entre malwares maliciosos e não maliciosos, fazendo com que os usuários baixem um programa nocivo que não causa danos de imediato, mas que pode a qualquer momento atacar o próprio usuário ou telefone de alguém de sua lista de contatos.

Em outras palavras, você pode estar carregando um Saci Pererê em seu smartphone sem saber e acha que está tudo certo. Portanto, além de instalar um antivírus no seu aparelho, tome cuidado com a maneira como você o usa. Procure utilizar somente lojas oficiais para baixar aplicativos. Se você usa Android, faça downloads somente no Google Play, para iPhone utilize AppleStore.

Outro detalhe, cuidado ao acessar a internet no seu celular via uma wi-fi aberta/pública, ou seja, em shopping centers, estádios de futebol, etc. Se um ataque ocorrer à esta rede, seu telefone poderá ser facilmente atingido sem você nem mesmo notar. E isso vale também para usuário de iOS. A sugestão para driblar este obstáculo é a instalação de um VPN (Virtual Private Network) no aparelho, além de um antivírus confiável.

Não substime o poder de fogo de hackers ao redor do mundo. Eles podem parecer verdadeiras lendas, mas existem e estão mais próximos do que você imagina.

Obrigado por utilizar o avast! Antivírus e por recomendar-nos aos seus amigos e familiares. Encontre as últimas notícias, divirta-se, participe de concursos e muito mais no Facebook,TwitterGoogle+ e Instagram. Dono do próprio negócio? Descubra mais sobre os nossos produtos corporativos.

Comments off
28, agosto, 2014

A simples troca de senha pode resolver o problema de vírus no Facebook

Todo mundo há de admitir que o mundo virtual não tem mais limites, está tudo lá, aberto e exposto para qualquer um ler, assistir ou ouvir. Em alguns casos, moderações conseguem ponderar discursos de ódio, sexistas e racistas. Mas o grande problema é que muita gente ainda continua a desfilar sua “ingenuidade” em redes sociais. E isso não é só com relação às mensagens publicadas, mas  também aos links em que clicam, aplicativos que baixam e os textos que lêem.

FNATIC DDoS1

Vírus em mídias sociais rodam em ambientes totalmente diferentes do seu PC, mas também podem atacar seu computador

Constantemente, recebo perguntas de leitores desesperados que dizem ter sido “vítimas de um ataque de vírus no Facebook” e querem saber a todo custo como fazer para se livrar da praga. “Devo instalar um antivírus na minha máquina?”, foi a pergunta de um desses leitores. E a resposta foi direta: “Não! Primeiro porque o Facebook é um ambiente totalmente diferente do seu compurador e segundo porque a esta altura sem antivírus sua máquina já deve estar contaminada”.

É preciso deixar bem claro que a função principal de um antivírus é proteger seu PC de ataques. Muita gente acha que o antivírus foi criado para limpar o computador, isto na verdade vem em segundo plano, pois são trabalhos diferentes e que exigem ferramentas diferentes para funcionar; embora não há dúvidas nenhuma de que antivírus como o avast! Premier realmente podem ajudar na limpeza do computador. Entretanto, o ideal é instalar um antivírus antes de usar a máquina e não o inverso.

Mas voltando ao assunto das mídias sociais, todo site de compartilhamento de notícias e discussões online estão rodando na internet, naquele mundo virtual que ninguém pode tocar mas que todo mundo faz parte. E embora você precisa do seu computador (telefone ou tablet) para acessá-lá, a internet está em um mundo totalmente diferente do seu computador. Portanto, o seu antivírus não conseguirá protegê-lo “daquele vírus” no Facebook, pois o antivírus está protegendo a sua máquina.

Como fazer para proteger meus perfis em redes sociais?

Uma das melhores maneiras de se protejer em redes sociais é tomando muito cuidado com os links que você clica, os vídeos que você acessa e, principalmente, os aplicativos que você baixa via Facebook e outras redes sociais.

Também tome cuidado com quem você está se conectando, pois além do próprio perfil ser um spam, cibercriminosos podem facilmente coletar informações vitais para realizar ataques. Depois, seu Facebook começa a enviar spams para todos os seus amigos, os quais te escrevem desesperados dizendo: “pare de me mandar vírus”, você mais desesperado ainda escreve para mim “como posso me livrar de vírus no meu Facebook” e eu com o maior prazer respondo: “troque a sua senha”.

E é só isso? Bem, para parar com os spams sim, mas para resolver sua vida não! Além de passar a ter mais cuidado com a maneira como você surfa online, faça uma varredura completa da sua máquina para ter certeza de que ela não foi infectada através de links que você baixou nas redes sociais.

E um último detalhe: instale somente um antivírus em seu PC, pois dois softwares de segurança juntos vão se conflitar, deixando brechas para grandes ataques.

Obrigado por utilizar o avast! Antivírus e por recomendar-nos aos seus amigos e familiares. Encontre as últimas notícias, divirta-se, participe de concursos e muito mais no Facebook,TwitterGoogle+ e Instagram. Dono do próprio negócio? Descubra mais sobre os nossos produtos corporativos.

Comments off
26, agosto, 2014

5 razões para você não instalar antivírus em seu PC

Seguindo um recente texto que publicamos entitulado como “4 razões para você não instalar um antivírus em seu celular”, vamos hoje falar sobre os motivos pelos quais você não deveria ter uma proteção para o seu computador.

fbsec02

O mundo virtual é um tanto quanto complexo e o uso de antivírus continua sendo essencial para cada usuário de computador

 

Aliás, este assunto tem se tornado bem popular ultimamente com discussões em torno do fato de que antivírus deverá se tornar obsoleto em um futuro próximo. Só o tempo dirá a verdade, mas por enquanto antivírus continua essencial para qualquer pessoa que possui um computador. Por outro lado, temos de admitir que há algumas razões para não usar antivírus. Aqui vão elas:

  1. Você é um hacker: se o seu trabalho é simplesmente realizar ataques de malwares a computadores e servidores ao redor do mundo, você provavelmente sabe muito bem como lidar com qualquer ataque ao seu PC, portanto, se você for um hacker não precisa usar um antivírus.
  2. Seu PC roda em Linux: e não é pela “lenda” de que não existe vírus em Linux, porque existe e muito, mas devido ao fato de que se você tem habilidade o bastante para lidar com sistemas operacionais abertos, então muito provavelmente você sabe como impedir todo tipo de ataque e pode facilmente limpar seu PC em caso de contaminação, mesmo que isso lhe custe um fim de semana na frente do PC.
  3. Seu PC só funciona offline: caso você tenha um PC em casa só para jogar paciência e xadrez e nunca conectou-o (e não pretende conectá-lo) à internet, então para que ter antivírus? Se o seu PC só funciona offline, você definitivamente está seguro! Mas mesmo assim, jamais conecte um pen drive à sua máquina, pois se este estiver contaminado seu PC também será.
  4. Seus dados não são importantes: se o que você faz com o seu PC na internet não tem a mínima importância e os dados que você guarda tanto no hard drive quanto em redes sociais e em arquivos nas núvens são irrelevantes, realmente possuir um antivírus não lhe levará a nada, pois para que proteger algo sem valor?
  5. Você já possui um antivírus: caso seu computador já tenha um antivírus instalado, por favor não cometa o erro de instalar outro! Instalando dois programas de proteção em um mesmo PC consome memória, dificulta a limpeza e um acaba conflitando com o outro. Essas são as razões que gerelmente levam as pessoas a reclamarem de antivírus.

Entretanto, se você não se enquadra em nenhuma das situações acima descritas, então corra e garanta já o seu antivírus. Escolha por um que atualize seus programas automaticamente (programas desatualizados são as melhores vias de ataques de vírus), e que tenha um firewall confiável capaz de ser customizado de acordo com as suas necessidades.

Outro ponto importante é ter um antivírus com sistema de antispam para alertá-lo de possíveis emails fraudulentos, além de uma zona segura onde você possa realizar compras online sem correr o risco de ter seu cartão de crédito ou débito furtado.

Com os computadores atuais cada vez mais rápidos e softwares cada vez mais leves, a “estória” de que antivírus deixa seu computador lento já virou lenda, coisa da era medieval do mundo cibernético! Instale um antivírus em seu PC agora, você não tem nada a perder!

Obrigado por utilizar o avast! Antivírus e por recomendar-nos aos seus amigos e familiares. Encontre as últimas notícias, divirta-se, participe de concursos e muito mais no Facebook,TwitterGoogle+ e Instagram. Dono do próprio negócio? Descubra mais sobre os nossos produtos corporativos.

Comments off